Pesquisar neste blogue

terça-feira, 11 de maio de 2010

...um texto para uma imagem...

foto de Bernardo Costa Ramos

Quase que chegou a horas daquela vez...
Toda a sua vida chegou sempre cedo demais a tudo o que fosse esperado chegar. Poderia fazer um relato extensíssimo, como se fosse a lista de compras de final do mês, e mesmo assim a vida não chegaria sequer para comprar tudo o que vinha nela.
Quando nasceu, cedo demais, disseram que parecia ser mais velho do que aparentava...estranha coisa de se dizer acerca de algo que acabara de despertar para a vida, contudo o consenso era geral. Na idade dos porquês já sabia as respostas antes da necessidade das perguntas, sendo assim não falava quase nada. Passava por um ser tímido, outras vezes pedante, por não dar o outro lado da sua face à sociedade que o rodeava. A sua própria sombra assombrava-se com tamanha rapidez e discrição do corpo ao qual estava associada, pois de cada vez que queria fazer a mimese do mesmo, a sua intenção estava dessincronizada alguns minutos...
O seu primeiro beijo perdeu o sabor antes de chegar aos lábios e morreu na vontade de ser dado. Tal experiência marcara-o tão intensamente que passou a julgar todos os casais de namorados como seres insensíveis que apenas representavam um papel ditado pelas normas sociais do estado humano. Eis a sua noção de tentar entender o mundo: como se fosse realmente um palco e cada um desempenhando um papel pago pelo destino. Batiam as palmas apenas aqueles seres iluminados como ele que conseguiam ver por detrás da cortina. E vivia cada um dos seus dias com a certeza de estar um passo à frente da própria Vida.
Quando proferiam o que quer que fosse à sua frente, de antemão a sua mente testava os limites da flexibilidade em termos de chegar a todas as interpretações possíveis e saber entrelinhas era ofício seu, sagrado como o de um deus menor.
Como estava tão ocupado com todas estas suas considerações, que achava de todo naturais, não se apercebia de que a Vida também era fruto do acaso, e dos contrastes, e das montanhas russas e pessoais, e todos esses afins desequilibrados. Viver como vivia era um todo monolítico que prendia muito mais do que a árvore secular que via través da sua janela, todos os dias. Estava lá e era apenas isso e nada mais, provando que bastava existir. Contrato assinado; dia acabado; missão cumprida...e comprida. Quem passava à sua beira, por uns instantes que fossem, sentia a âncora desse peso antecipado na sua determinação: a de que ele chegava sempre cedo demais porque sabia tudo.
Mas, desta vez, quase que chegou a horas...deteve-se a olhar para as aves que desciam sobre ele como se fossem buscar o pão de todos os dias directamente das suas mãos...um dos negros anjos alados olhou-o de frente e sentiu-se derrotado. Apesar de ser a hora de o levar...ele ainda assim, chegara um pouco cedo demais, antecipando-se à sua tarefa.
O corpo, mesmo que ainda inspirando e expirando alguns restos de vida, já estava vazio; a sua alma caminhava sozinha à frente da morte.

10 comentários:

tonsdeazul disse...

A foto do Bernardo está muito bonita e com o teu texto ficou um conjunto maravilhoso, como já te tinha dito!
A tua fonte de inspiração continua em alta! :) É sempre agradável ler os teus textos, pois fazem-nos percorrer outros caminhos.
Ah! E com esta música ficou ainda mais doce!
Beijinhos e espero que este regresso por aqui seja mais frequente. :)

su disse...

Obrigado pelas palavras e pela consideração, linda! :) Assim não é a inspiração que fica em alta, mas sim o meu ego...lololololol...e a vaidade é um dos pecados mortais...tenho de ter cuidado, ainda para mais com a visita do Papa! lol

A ver se é desta que retorno à Teia. Bjs GRANDES!!!

Matchbox32 disse...

Bem vinda de volta! Já lá ia algum tempo sem dares notícias bloguísticas... Lol!

Beijinhos!

su disse...

Oi Match! Quero ver se começo a disciplinar-me mais um pouquinho nisto dos blogs!! Vamos a ver! ;)

©carmen zita disse...

Adorei o teu texto. Por uns momentos pensava que estava a ler sobre ti... :)

MA disse...

Lindíssimo!

Coração de Feltro disse...

Olá...
Sou demasiado sensível a estes conteúdos e tento fujir sempre k eles se cruzam no meus caminho mas hoje apanhaste-me e ainda por cima em dia negro, p´ra variar!! :(
Profundo é a palavra k encontro para o defenir. Adorei.
Bejos grandes do Coração♥
Miká

su disse...

Obrigado pelas palavras que deixaram...

Miká, não gosto de dias tristes no teu coração cor-de-rosa...um beijo bem grande, repleto de palavras doces e bonitas.
:)

Rafeiro Perfumado disse...

Eu colocaria apenas "até vocês, pombos, me abandonam"

su disse...

Uma gargalhada, rafeiro! LOL ;)