Pesquisar neste blogue

terça-feira, 30 de junho de 2009

+

Mais do que pó de estrelas, somos os raios que se escapam delas mesmo após o seu colapso e brilhamos, para além da fronteira destes corpos, milhares de anos após, em ecos fundados em sangue e matéria.
Mais do que as origens, importa saber que somos o Aqui e o Agora, Disto e Daquilo, entre o sabor de um beijo e o de uma lágrima, o Sal e o Doce, à beira do choro e da gargalhada...as bases da sanidade e da loucura num interminável jogo de equilibrismo sem se querer.Mais do que os fantasmas do futuro projectados por entre sonhos e expectativas, somos o que somos, o que nos foi permitido ser , por entre páginas imensas de ADN´s e de pseudo-destinos divinizados, como desculpa de sermos apenas humanos.
Mais do que o sonho e o pesadelo, somos o húmus do seu corpo e ditamos a sua orientação desde as raízes a que nos agarramos; e ascendemos ou curvamo-nos, conforme a disposição dos ramos que sustentam ou os céus ou os infernos, ou os limbos ou os purgatórios...ou somente a doença e a realidade.Mais do que as fórmulas secretas de um Arquitecto maior, chame-se Tempo, chame-se Deus, chame-se Natureza ou o que se quiser, somos a prova viva de que construimos, resistimos, destruimos porém existimos.Mais do que um sono prolongado para além da verdade, corre-nos sangue desde o coração até qualquer ponto do nosso corpo e se estamos vivos neste mesmo Momento foi para isto que "fomos feitos"... por entre o caos e a ordem, por entre a mente e o trabalho das nossas mãos transformamos a matéria em LUZ....e "só devemos parar...quando terminarmos"...

6 comentários:

Matchbox32 disse...

Como meros seres humanos, choramos, rimos... temos sentimentos. É isso que nos distingue dos demais, é isso que nos permite deixar a nossa marca depois de o nosso tempo chegar ao fim...

Beijinhos!

Joana disse...

Adorei este texto, bem como a música!!!
Somos tanto... e eu acredito que a nossa alma é tão grande que nunca vamos terminar!

Beijo.

Teté disse...

Ora aí está a "nossa" SU, com um texto brilhante, ilustrado por belas imagens a preto e branco, com música de fundo em perfeita sintonia!

Beijocas, amiga! :)*

Porcelain Doll disse...

Porque só acabamos quando chegamos ao fim... é bom levar sempre tudo até ao fim... esgotar... o problema é que por vezes não existe esgotar... já que vivemos num universo de coisas inesgotáveis... onde fins e inícios são meras formulações, ilusões, fracas percepções... somos pouco mais que pó de estrelas... e para que nos possamos constituir como os raios que se escapam de uma estrela, temos de ir com a nossa consciência muito para além da fronteira destes corpos... talvez, milhares de anos antes.

Sabendo o que somos aqui e agora, conheceremos as origens... o aqui e agora que é feito desse triste jogo de equilibrismo em que caímos, sem querer... que escolhemos, sem saber.

É triste quando nos reduzimos a fantasmas do futuro... projectados por entre sonhos e expectativas... somos o que um dia semeámos, e não nos lembramos de ter semeado... urge lembrar.

Entre a ascenção e a curvatura, entre os limbos e os purgatórios, e os céus e os infernos, crescemos... equilibramo-nos... ficamos maiores...

O arquitecto maior reside em nós... em cada um de nós... por entre o caos e a ordem, ascendemos para acordarmos desse que é o nosso irremediável destino de dormirmos para a verdade... transformamos a matéria em luz... por isso, agradeçamos ao escuro que é a nossa matéria-prima.

:) Beijo

André Pereira disse...

Oi Su,
Você continua e ainda mais incrível! Cada letra sai de ti e ocupa lugar preciso. Dois anos se passaram, muita busca, muitos caminhos, e por isso estou aqui: de volta às letras. Espero não ser tão tarde para voltar a desfrutar e compartilhar palavras em fios aqui na Teia.
Bjs, André Pereira - Brasil.

Luciano Fraga disse...

Su, tocante suas palavras, "somos medo e segredo, somos feitos de silencios e de luz..." Somos este continuum de conceitos, mente e idéias, muito bom mesmo, abraço.