Pesquisar neste blogue

terça-feira, 25 de agosto de 2009

hollidays - 2ºdia!

O segundo dia rompeu claro, no entanto demasiado cedo para uns mais obstinados em abandonar o aconchego da cama. Entre actividades de higiene pessoal, mais ou menos longas, e outros afazeres, rematámos o pequeno-almoço com a especialidade de uma pastelaria local, a queijada de laranja, e partimos para terras galegas, em direcção ao Castro de San Cibran de Las, na província de Ourense. Este castro, de grande dimensão e ainda em fase de escavações, fica situado num monte ermo a partir do qual se pode contemplar o imenso quadro de colinas e vales que o circundam. Sob o sol quente do meio-dia, vagueámos no povoado, entre as três muralhas defensivas, em troços de ruas empedradas onde outrora circularam os seus habitantes. De San Cibran, seguimos para o Castro de Santomé, desta feita a escassos quilómetros da cidade de Ourense. Apesar da proximidade da civilização, este conjunto arqueológico de vestígios castrejos e romanos parece perdido no meio de um bosque silencioso e antigo. A sua localização e alguns pormenores da sua construção levaram-nos a classificá-lo como uma estância de férias para os mais abastados. Provavelmente com direito a banhos no recolhido riacho que ali passa.Depois de um almoço de sandes e sumos, porque o tempo e os meios eram parcos para grandes repastos, seguimos rumo à Ribeira Sacra, região que se estende ao longo dos vales dos rios Minho e Sil e assim designada devido ao elevado número de igrejas e mosteiros que aí se estabeleceram durante a Idade Média.
Antes de desembocar no Minho, o rio Sil flui encaixado num profundo vale de enormes paredes graníticas, estabelecendo a fronteira entre as províncias de Lugo e Ourense. Segundo a lenda, esta fractura na rocha conhecida como Canón do Sil não é mais do que uma ferida provocada na Galiza pela deusa Juno quando o seu marido, Júpiter, se enamorou da terra galega.
Uma vez no Mirador de Cabezoas e depois no mirador Balcones de Madrid, sustivemos a respiração perante a beleza deste cenário natural. Procurámos planos e perspectivas para a melhor foto; nenhuma fez justiça à sua monumentalidade. Entre o primeiro e o segundo mirador, visitámos o Mosteiro Santa Cristina de Ribas do Sil, ponto de paragem obrigatória na rota da Ribeira Sacra. O mosteiro, quase em ruínas, construído nas escarpas do Sil entre a densa vegetação de castanheiros e carvalhos, concede ao lugar uma atmosfera mística de encanto único. Há quem diga que as suas árvores centenárias semi-ocas têm a propriedade de curar certas maleitas se nos colocarmos no seu interior. Não falta mesmo a árvore dos milagres, repleta de pedidos e oferendas dos visitantes. O nosso também lá ficou, numa folha de papel A7. Não propriamente um pedido, mas um testumunho da nossa passagem por ali. Já no final da tarde, apressámo-nos para o município de Castro Caldelas. Não queríamos perder a visita ao castelo, uma fortaleza medieval construída sobre um castro celta. Das suas muralhas e torres contempla-se toda a vila, um vasto casario com bonitos telhados de ardósia. Deixámos o castelo e aproveitámos a esplanada de um café ali perto para um pequeno lanche. Uma empregada simpática serviu-nos, por conta da casa, quatro pedaços de um bolo típico da região, a bica amantecada. Agora sim, estávamos prontos para o regresso.

Não me lembro onde nem o que foi o nosso jantar neste dia. Não me lembro se foi nesta viagem de regresso a casa que enchemos a barriga com riso.

8 comentários:

su disse...

Amiga, melhor não poderia ter descrito. Foi mais um dia único e bem passado a contra-relógio mas a favor da beleza e do significado histórico dos locais visitados. Sou eu quem tem as fotos da árvore sagrada dos pedidos! Hei-de colocar aqui um post só sobre essa árvore...até fica bem a seguir a este que tu fizeste aqui para a Teia. Muito obrigado e sejas BEM-VINDA a esta casa de fios! :)
Pois, entre uma barrigada de risos acho que o nosso jantar foi o fora -de-horas quando chegamos a Arcos e o Luís foi pedir a um restaurante local para nos assarem uns franguitos, não foi? Já não me lembro também...
Opá, aquela bica amantecada estava mesmo boa! ;)
Xii...naquela foto ainda estava de braço ao peito! Já não ando assim mas digamos que está a ser um pouco complicado utilizar esta mão...pode ser que com a fisioterapia vá ao sítio agora.
Beijinhos grandes e até breve!

gracinda disse...

Não tens que agradecer. Foi um prazer. E tens toda a razão. Pena foi o tempo não chegar para ver outros locais igualmente fabulosos. Outras férias virão.

Foi este o dia, não foi? O dia das "pechugas"? Eh eh! Eu tinha de o dizer.

Olha acrescentei este vídeo com imagens do Canón do Sil e do mosteiro de Santa Cristina onde não falta a árvore sagrada.
Nunca mais trocamos as fotos!!

Beijos grandes, amiga. E até breve... Assim que eu tenha novamente o carro.

su disse...

Pois é...já encontrei no clip a árvore dos pedidos! É no minuto 1:32 se fizermos a pausa vemos a árvore com os pedidos e estátua! É muito pagão! ;)

Sim, a "pechuga de pavo"! Bolas, ainda me desato a rir com esta expressão! Olha, é uma expressão boa para o Yoga do Riso! eheheheheh

Pode ser que segunda feira já tenhas o carro! :)
Beijinhos.

Teté disse...

Bom, que belas passeatas, em locais simplesmente de cortar a respiração. E isto pelas fotos, que me parecem bastante boas, mas imagino que no local a impressão da paisagem seja bem maior...

Estava com pena de não ver essa árvore dos pedidos, mas ao ver o vídeo lá reparei nela! Muito pagã mesmo!!! :)

Espero que depois publiques a tua foto da dita!

Suponho que as férias ainda não acabaram por aqui, não é?!

Beijocas a ambas!

su disse...

Estou a fazer contas de publicar a dita foto e um textozito à mistura. É bem verdade, estar lá é mesmo algo de imponente e nós nem sabemos bem qual o ângulo certo para a foto...fica dentro de nós! :)
Não, as férias não acabaram aqui...tem mais uns dias! ;)
Beijinhos.

Matchbox32 disse...

Fantástico! Simplesmente fantástico... Já sei onde vou na próxima vez que tiver uns dias de férias...

Beijinhos!

Joana disse...

Que ricas férias!
Um beijinho.

su disse...

Valem bem a pena umas férias por lá...eu cá por mim mudava-me era para lá...sem armas e com bagagens!